Um facto sobre mim #1

By J* - 11:37:00

Corria o ano de 2010 quando andava eu no meu 2º ano de universidade. E em todas as aulas que andava a ter, notava que andava com imensa comichão na cabeça. Tinha-se tornada um vício eu coçar a cabeça na zona da nuca constantemente. Comentei várias vezes com os meus amigos que não sabia o que se passava e que já desconfiava que poderia ser piolhos!!!
Pedi num dia à minha mãe que inspecionasse a zona onde tinha comichão e ela disse-me que estava bastante vermelho que parecia que tinha caspa. Eu nunca tive caspa na vida, e a única zona onde ela via a caspa era na zona onde tinha comichão.
Deixei passar algum tempo até que numa consulta com o médico de família resolvi falar-lhe do assunto. Devo dizer que não tenho qualquer queixa do meu médico, muito pelo contrário. Mas dessa vez, ou o senhor estava cansado ou então nem sei bem o que lhe passou pela cabeça resolveu receitar-me imediatamente o medicamento sem antes ver a zona onde me queixava. É claro que chamei-o à atenção e ele lá viu a zona que me queixava. Disse-me que se tratava de eczema e com o medicamento que me estava a receitar passaria. Não me explicou mais nada.
Fiz o tratamento tal e qual como me indicou mas a verdade é que não senti qualquer tipo de melhorias. Até que resolvi consultar um dermatologista.
O diagnóstico foi feito com a mesma rapidez com que o médico de família me tinha receitado o medicamento sem ver. Assim que o dermatologista viu a minha cabeça pediu-me logo para ver cotovelos, joelhos e unhas. E se nos cotovelos e joelhos não havia nada a declarar nas unhas já não era a mesma coisa.
Algumas das minhas unhas desde que me lembro apresentavam uns pontos que pareciam ter sido furadas com agulhas. Às vezes tinha uma unha, outras vezes tinha a mão completa. Achava aquilo estranho mas nunca me preocupei com a aparência porque era necessário estar mesmo muito perto  para conseguirem detectar os pontinhos. E além disso com o verniz ninguém conseguia ver nada.
Então, o diagnóstico foi: Psoríase.

Uma doença crónica da pele, que eu raramente tinha ouvido falar. Associava a manchas vermelhas na pele, e pouco mais. Fiquei assustada assim que me disse que não tinha cura. Fui sozinha à consulta e não esperava este diagnóstico. Fui alertada que poderia aparecer em mais zonas do corpo (daí ter pedido para ver cotovelos e joelhos, zonas comuns onde se manifesta) e que teria de seguir a medicação para o resto da vida.
Para quem como eu sabe muito pouco acerca desta doença, deixem-me que vos diga que ela não é contagiosa. 
Existem vários tipos de psoríase sendo que a mais comum é em placas que é precisamente a que eu tenho. Portanto, os sintomas são imensa comichão, que se for coçando forma várias camadas de placas (que no cabelo parece caspa), e que chega a fazer ferida. Quanto mais coçar mais espessas são as placas. A pele nota-se que está extremamente ressequida.

Começou por ser só no couro cabeludo, mas há cerca de dois anos descobri na orelha. Exatamente os mesmo sintomas, comichão e placas de pele constantemente a sair. E logo a seguir comecei a notar umas manchas bem redondinhas, e vermelhas com alguma descamação na zona das costas, mesmo na zona dos ombros. São manchas que pareciam queimaduras de pontas de cigarro, mas que entretanto já cresceram substancialmente. Não tenho comichão nessas mas elas são bem visíveis na minha pele.

O Sol é um aliado para os doentes de psoríase. Para além de disfarçar imenso as manchas na pele, noto que no Verão não tenho tanta comichão como no Inverno.
Neste momento estou medicada, uso corticóides para parar a comichão. É uma medicação que não faço regularmente, ou seja só quando estou com alguma crise é que uso durante um tempo, entretanto os sintomas aliviam e eu paro de aplicar. 
Devo dizer que apesar desta doença se manifestar na pele, ela tem todo um carácter psicológico, que implica que em alturas mais desgastantes tenhamos uma maior predisposição para ter um agravamento nos sintomas.

Confesso que custou assimilar que sofria de uma doença crónica. Não que ela me impeça de fazer o que quer que seja (pelo menos por agora) mas o facto de saber que terei de fazer medicação para o resto da vida, e que há fases que pareço um cão com pulgas de tanto me coçar (um desespero) mexe sempre com uma pessoa. Tive dias em que passava horas no espelho a ver o crescimento das manchas. O namorado chegava a casa e lá estava eu a examinar quanto tinham crescido e lavada em lágrimas a pensar que mais cedo ou mais tarde as minhas costas estarão cobertas por manchas gigantes.

O pensamento agora é dar o mínimo de importância a isso. Tenho psoríase sim, tenho de fazer medicação sim, mas posso fazer a minha vida normalmente. Esteticamente não sei o que vai acontecer com as manchas nas costas, mas uma coisa de cada vez.

Já tinham ouvido falar desta doença? Conhecem alguém que sofre de psoríase?





  • Share:

You Might Also Like

9 comentários

  1. Já tinha ouvido falar sim e não imagino o quão deve ser realmente chato. Sei que podes fazer a tua vida normalmente, mas acredito que as manchas sejam uma treta. Mas adorei o tom super positivo com que escreveste este texto, gosto muito de te ler.

    THE PINK ELEPHANT SHOE // Ganha um giftcard de 35€ na Sephora!

    ResponderEliminar
  2. Já tinha ouvido falar mas não conheço ninguém que sofra disso :( deve ser mesmo chato a parte da comichão e das manchinhas na pele! Mas podia ser pior não é? Temos que ser positivas! x

    E. ♥ Meet me for Breakfast

    ResponderEliminar
  3. Já tinha ouvido falar dessa doença mas não sabia ao certo o que era... A parte da comichão deve ser realmente chata... mas gostei da onda positiva com que escreveste o texto! :D

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Já ouvi falar sim, mas não conheço ninguém que tenha.
    Eu tenho eczema desde que nasci e também tem fases mais ou menos agressivas. Ultimamente apareceu-me na nuca o que eu supus ser também eczema que de vez em quando me dá alguma comichão. Se continuar vou consultar um dermatologista. Beijo

    ResponderEliminar
  5. A minha irmã também tem :/ é algo que nem sempre é fácil de lidar e que é pior do que as pessoas (que não têm) imaginam.

    ResponderEliminar
  6. Alô :)
    O teu relato é incrível! Já tinha ouvido falar mas nunca tinha lido nada sobre o tema, não fazia ideia como se manifestava.
    Confesso que os médicos de família fazem-me um pouco de confusão por isso mesmo... Receitam assim as coisas sem quê nem para quê, num instante e sem avaliar. Também acontece o mesmo por aqui...
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  7. Conheço a doença, mas não conheço ninguém que a tenha... tenho a certeza de que vais aprender a viver com isso, não podes deixar que seja a doença a controlar a tua vida (= sei que é mais fácil falar do que fazer, mas vais conseguir. Força *

    ResponderEliminar
  8. Este teu post tem-me andado a deixar a pensar. Sei o que é a doença (um vizinho tem e manifesta-se muito nos braços e cotovelos), mas desconhecia os sintomas que aqui apresentas. E agora, porque é que me deixou a pensar e tenho andado a matutar no assunto. Há algum tempo que ando com imensa comichão na cabeça. Já aconteceu noutros anos e passava, mas ultimamente a coisa não passa. Sempre atribui a causa à caspa, visto que, de vez enquanto se soltam da cabeça umas cenas que parecem cascão (como costumam ganhar os bebés). A comichão é horrível e já experimentei tudo o que havia de experimentar em termos de champô para a caspa. Agora, quando leio aqui sobre o que tens nas unhas é que me deixou alerta. Também eu tenho, nas unhas umas coisas que parecem picadas, mas só nas unhas do dedo indicador e no mindinho, nas duas mãos. Isso deixou-me a pensar se não seria melhor recorrer a uma dermatologista. Não sinto mais nada de especial, apenas a comichão que diminui quando lavo a cabeça, mas no dia a seguir já está igual. As "picadas" das unhas são quase imperceptíveis, só olhando bem para elas é que se nota.
    Obrigada por esta partilha.
    Força.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse pelo aspecto das unhas nunca teria ido ao dermatologista. Só fui mesmo porque a comichão na cabeça não passava por nada! E depois é que soube o diagnóstico e lá está, as unhas tinham uma justificação. Sinceramente é temos em conta que relata que a comichão acaba sempre por voltar não seria mais opção marcar uma consulta no dermatologista e assim ficaria esclarecida.
      Beijinho

      Eliminar