Quando os pais (não) sabem o que é melhor para os filhos.

By J* - 17:17:00

E o que me custa ver uma amiga minha ser condicionada em toda a sua vida por aquilo que os pais acham ou deixam de achar?!

Uma miúda com uma boa disposição que contagia, sempre boa onda, e sempre de bem com todos. Sempre disposta a ajudar, e sempre disponível para os outros. Diria mesmo bastante humana, e sensível aos problemas dos outros. E depois, num dia, aparece-nos com uma disposição que parecia que uma nuvem negra pairava sobre ela. Com um semblante tão carregado que nem parecia a mesma. Pergunto se está tudo bem, e ela parca em palavras responde que sim. 
Não acreditei. Mas com algumas confusões passou-me de falar com ela em particular.
Até hoje.

Saber que há meses vive um inferno em casa porque a família não aceita a pessoa que ela escolheu. Pior, pela segunda vez,não aceitam a pessoa que escolheu.
E se houvessem motivos válidos para isso. Mas não. Os motivos prendem-se com as habilitações académicas. E isso para mim é surreal. Chega mesmo a ser triste.
Ela revolta-se contra eles. Tenta que percebam que as pessoas são o que são independentemente das suas habilitações académicas. Mas enquanto tenta consome-se. Fica completamente desgastada. Para tentar dar um passo em frente dá imensos para trás em tudo o resto.

Não há grande coisa a dizer nestes casos. Ela tem toda a razão do mundo para se sentir revoltada. Não se sente apoiada por quem é mais próximo. Só vê incompreensão do outro lado e intolerância. AConselhei-a a seguir em frente independentemente do que acham. Informa as suas decisões mas não alimenta discussões, confusões. 
Não gostam paciência. Com isso só ganham a distância dela. 

Mas é família. Custa. Ela está de rastos, quando não devia sequer se pôr este géneor de questões.

O que faziam num caso como este?!


  • Share:

You Might Also Like

3 comentários

  1. É triste, mas ainda há muita gente que avalia o carácter dos outros pelas habilitações académicas. Como se o Ricardo Salgado, O Zeinal Bava, o Henrique Granadeiro e o José Sócrates tivessem a quarta classe, não é? São as mentalidades tacanhas que ainda existem muitas mentalidades tacanhas e mesquinhas a tentarem influenciar os outros.

    ResponderEliminar
  2. Também estou nessa situação pela segunda vez os meus pais não aceitam o meu namorado...
    É doloroso saber que a família não apoia e dificulta tudo e não há assim grande coisa que se possa fazer a não ser aceitar a opinião deles e seguir convictas com a nossa relação
    beijinhos :)
    https://dailyvlife.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Essa parece a história da minha vida há 17 anos. Eu resumi tudo numa frase aos meus pais "Ou perdem uma filha, ou ganham um genro. A escolha é vossa!" Penso que fizeram a escolha certa. E resta-me a consolação de terem aceite o meu marido antes de ele ser admitido na Academia para fazer a licenciatura.

    ResponderEliminar