09 maio, 2017

O amor é assim...

Ainda não tenho filhos. Ouço várias mães dizer que os filhos são fontes de preocupação. Com certeza que tudo o resto compensa estas preocupações, senão ninguém os teria! Mas a verdade é que não precisamos de ter filhos para nos angustiarmos por alguém. Para sentirmos o coração pequenino, do tamanho de uma ervilha, porque não conseguimos ajudar.

Ontem e hoje fiquei assim. Preocupada. Sempre em sobressalto. Se o meu telemóvel tocasse acho que o meu coração parava. Mas não tocou. Fiquei na dúvida se seria um bom ou mau sinal. Um friozinho na barriga que me deixava irrequieta na minha cadeira.

À hora do almoço consegui relaxar um bocadinho. As notícias não eram más. Mas ainda não dá para saborear o descanso. Não dá para para dizer "já passou".

Como diz a canção, "...O amor é assim, pelo menos p'ra mim..." e pela primeira vez sinto isto por alguém que não é de sangue. Que não é da minha família "original", mas é a minha família agora. 
Ele. Vê-lo assim, parte-me o coração!

Que esta fase de merd* passe rápido!





4 comentários: