10 abril, 2017

A (famosa) viagem de finalistas!

Pois parece que este ano não temos direito às famosas reportagens que acompanham, entrevistam e publicam imagens das viagens de finalistas mas temos sim notícia para dar pano para mangas!
Cerca de mil estudantes portugueses vieram embora mais cedo da sua viagem de finalistas, tendo sido expulsos do hotel onde se encontravam hospedados por vandalismo, e destruição do hotel.
Já ouvimos com certeza várias versões, a dos alunos, a da agência de viagens, e uma parte do hotel.

Devo salientar que não fui à minha viagem de finalista. A minha foi a Lloret de Mar, e não fui porque os meus pais não me deixaram. Foi mesmo isto. Queria muito ir, mas nem a minha mãe nem o meu pai me deixaram. Por isso não tenho nenhuma opinião em primeira mão para partilhar. Imagino como é, imagino os exageros que se comentem, a diversão levada ao extremo, a loucura daqueles dias longe dos pais, longe de casa, a viver num ambiente de festa. Talvez por isso os meus pais não tenham concordado com essa viagem. Nessa idade da parvoíce que eu passei, agora mais tarde, compreendo perfeitamente a posição deles. Não fui uma adolescente problemática, mas tive os meus dramas, os meus exageros, e as minhas coisas, e compreendo que uma viagem com essa dimensão implicava para os meus pais ficarem com o coração nas mãos por não saberem o que andava lá a fazer. 
E não me venham com a história da confiança, porque ainda estes dia ouvi uma mãe dizer que "uma coisa são os nossos filhos com os pais, outra bem diferente são eles com o grupo de amigos". E é bem verdade! É claro que alguns transformam-se completamente, mas mesmo que não seja uma transformação radical, comportamo-nos de forma diferente. 

Por isso mesmo, não compreendo as vozes de indignação e repreensão quando comentam assuntos como este. Afirmam que os nossos jovens são uns selvagens, que a culpa é dos pais, que nunca saíram de casa e que depois vêem-se sozinhos e longe de casa e não se sabem comportar. 
Primeiro os jovens não são selvagens, vivem é de uma forma mais intensa que os adultos. É uma fase impulsiva, uma fase de extremos, e tendo em conta que todos passamos por essa fase, uns mais outros menos, não me parece que estes comentários tenham algum cabimento.
Para além disso não me parece de todo que aqueles que nunca saem enquanto estão nas suas terras, que os pais os deixem ir não sei quantos dias, sem professores para longe, num ambiente tão exagerado quanto este. Eu já saía à noite, eu chegava de madrugada a casa, e os meus pais não me deixaram ir. Mas tenho a certeza absoluta que se por acaso ainda não saísse à noite, então mais depressa eles diriam que não! Porque se é certo que há exageros nesses locais, também é certo que quem não está habituado a nada, o pouco já será em excesso, certo? Por isso desses mil alunos que vieram embora com certeza poucos são aqueles que foram para lá às escuras, sem antes ter experimentado noite, alcool, fumar, etc.

Neste caso, e pelo que li este hotel foi a primeira vez que hospedou estudantes em viagem de finalistas, e talvez por isso não tivesse ideia do problema que isso poderia ser. Talvez por isso ache que estes estragos são incomportáveis e inadmissíveis. Atenção que não estou a apoiar qualquer ato de vandalismo e destruição. Mas sei, mesmo sem ter ido à viagem de finalistas, que isto acontece regularmente. Os hotéis que hospedam alunos em viagem de finalistas há algum tempo também o sabem. São pagas cauções porque já se prevê que irão existir desse género de estragos. O ideal é que não existissem. O ideal é que os comportamentos fossem moderados. E acho mesmo que deveriam optar por campanhas de sensibilização para tentarem reduzir todos estes cenários.
Concordo que paguem o que estragam, bem como serem responsabilizados pelos danos causados. Agora acusar os nossos jovens de serem uns selvagens, quando eles estão num viagem de finalistas a mim só me parece too much!!!

 





8 comentários:

  1. Eu não fui à minha viagem de finalistas nem nunca saí à noite. A mim faz-me confusão os excessos mas talvez porque fui uma adolescente muito atípica. Só acho que devia haver mais acompanhamento nestas viagens de finalista. Os jovens ficam longe de casa e parece que a loucura multiplica. Não são 2/3 professores que vão controlar isso. Ou então começarem a fazerem viagens cá em Portugal. A viagem dos meus colegas foi a Gouveia, por exemplo. Há muita coisa que deveria mudar!

    ResponderEliminar
  2. Olha, eu como também não fui não tenho assim grande opinião confesso!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // SORTEIO DE CABAZ DE PRIMAVERA //

    ResponderEliminar
  3. Também não fui à minha viagem de finalistas e honestamente não estou nada arrependida. De qualquer forma eu acho que os adolescentes são muito mais abusadores do que eu era na minha altura, é algo que se agrava de ano para ano... Beijinhos*

    ResponderEliminar
  4. Eu não fui à minha viagem de finalistas, não tenho lá muito a ideia de como são as coisas. Por isso não tenho muito a dizer do assunto.
    Beijinhos :)
    https://dailyvlife.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Eu concordo com quase tudo o que disseste, para ser sincera acho isto tudo um exagero, da parte dos jornalistas e do hotel.

    ResponderEliminar
  6. Concordo completamente com o que disseste!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Eu não tive viagem de finalistas senão na faculdade. Mas aposto que os meus colegas, há 20 anos, não se portaram assim. A culpa é de todos, pais, escola e jovens!

    ResponderEliminar
  8. Eu fui há 11 anos atrás. Eu não fiz nada de errado. Mas sei que um dia nao vou achar piada a deixar ir um filho meu.

    ResponderEliminar