06 março, 2017

Vegonha alheia

Envergonham-me pessoas que não me são rigorosamente nada, mas que estão no mesmo espaço que eu, a falar com as mesmas pessoas que eu, mas que não medem aquilo que deitam cá para fora!
Mas fico mesmo envergonhada. As faces começam a ganhar rubor, começo a ficar com muito calor, e nem sequer sei em que posição é que me sinto bem.

Ontem num jantar de aniversário, uma rapariga que poucas vezes vi na vida, saiu-se com uma frase tão, mas tão baixa, que me deixou assim, envergonhada! O meu namorado riu-se, não fica incomodado, não é nada com ele. Mas eu não consigo. Sinto-me mesmo incomodada. E atenção que a conversa nada tinha a ver comigo, nem eu era interveniente direto na mesma.

Não sou nenhuma púdica, atenção! Também eu gosto de brincar, e dizer umas parvoíces quando estou entre amigos. Mas uma coisa é o meu grupo de amigos, outra bem diferente é quando estou rodeada de pessoas que nunca vi, ou vi pouquíssimas vezes na vida! O ar de reles, e baixa com que ela ficou depois de deixar escapar esta frase foi inevitável. Não gosto de fazer este género de julgamentos assim, numa situação como esta, mas a verdade é que não havia forma de encarar a pessoa, sem formar esta imagem na nossa cabeça.
Podem-me justificar que a pessoa é extremamente comunicativa, sociável, sem grandes rodeios, mas a verdade é que a imagem que passa é de não se saber dar ao respeito e muito, mas muito exagerada.

Ainda bem que ontem já estava de saída quando ouvi o que ouvi. Não tive de ficar muito mais tempo com aquela vergonha alheia a borbulhar-me debaixo da pele!

4 comentários:

  1. Como te compreendo! Até fiquei curiosa em saber tamanha barbaridade.

    Já agora segue o meu blog :)

    http://arefilona.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  2. Eu confesso que me rio imenso nessas situações =P

    ResponderEliminar
  3. Devemos ter em atenção aquilo que dizemos e fazemos consoante o espaço e as pessoas que estão à nossa volta! Beijinhos*

    ResponderEliminar