20 fevereiro, 2017

Ser precipitado.

Que todos nós já tivemos alguns momentos de precipitação é verdade, mas com certeza podemos dizer que aprendemos algo com isso, quanto mais não seja, que não voltamos a cair numa de sermos precipitados.

É por isso que me custa ver, e perceber aqueles que são uns precipitados em tudo, mas que caem, e voltam a cair na precipitação.
Seja no trabalho, seja na vida profissional, seja nas suas relações pessoais. é desastre atrás de desastre. Se eu no meu trabalho achar que foi precipitado falar com um cliente numa determinada fase, no próximo não caiu no mesmo erro. Vou corrigir.
Se numa relação seja ela amorosa, ou não, eu assumi cedo demais os meus sentimentos, numa próxima já me vou salvaguardar!  Então é ver em redes sociais estampadas declarações de amor, ao final de dois meses de namoro, e mais um mês e já terminaram a relação. É assim, eu acho bem que se demonstre amor, carinho, afectos. É bonito! Mas que tenham algum valor. Não é dizer só para ficar bem na fotografia, não é expor só para os outros verem, lerem e comentarem. Até porque uma vez até se tolera, mas duas, três, dezenas de vezes que vemos aquela pessoa a expor os seus sentimentos em público, e depois tudo termina. Depois perde-se o namorado que era o amor da vida, perde-se a amiga que era a amiga não de sempre, mas para sempre, perde-se o cliente porque falou muito e cedo demais. Finda-se tudo aquilo que foi exposto por se ser precipitado.

Agora custa-me é ver que estas pessoas não são capazes de  aprender de umas para as outras. É vê-las a repetir, e repetir, e repetir, e a terminar sempre da mesma forma.
Acho que isto não se trata só de ser precipitado, mas também de ser exagerado. A necessidade de se sentir muito, em grande, em proporções impensáveis, faz com que percam a noção da quantidade de vezes que aquilo já terminou mal, e por isso mesmo não os deixa corrigir.

Pena! Lamento, mas o único sentimento que consigo sentir é pena. Porque a verdade é que é lamentável essas pessoas não conseguirem enxergar de forma clara, que às vezes mais vale pensar um bocadinho mais, sentir um bocadinho menos, e  viver de forma simples sem grandes exageros!

 

2 comentários:

  1. A vida ensinou-me a ser muitooooo mais ponderada.

    ResponderEliminar
  2. Durante muitos anos 'precipitada' era o meu nome do meio! Felizmente, com as experiências menos boas aprendi a ser mais ponderada!

    ResponderEliminar