24 fevereiro, 2017

A frontalidade que não é frontalidade.

Tenho um sério problema com a frontalidade. Ou melhor tenho um problema com a forma com que entendem ser a frontalidade!
Se calhar até sou eu que não estou certa. Se calhar até sou eu que prefiro ser a boazinha e colorir as coisas para que não fiquem feias, mas para mim frontalidade não é dizer o que se pensa a qualquer pessoas, e em qualquer momento. 
Já ouvi várias pessoas dizer que uma das suas qualidades é a frontalidade. Mas depois assisto a uma tremenda falta de noção e principalmente de educação, que me deixa possessa.
Se eu não tenho confiança com a pessoa, se eu não me sinto à vontade de transmitir o que sinto, penso, ou acho, eu não vou desatar a debitar tudo o que me vem à cabeça sem ter noção do que é em demasia. Porque isso só vai ser rude da minha parte, indelicado, e se calhar acaba por ser uma invasão da esfera pessoal do outro.
Quando nos questionam sobre algo, não digo que se deva mentir, que se deva enganar o outro, simplesmente acho que há várias formas de transmitir a nossa mensagem sem sermos intrometidos, e sem sermos principalmente rudes.
As palavras em qualquer circunstância devem ser pensadas antes de serem colocadas em voz alta. E podemos ser sinceros, com um nível de frontalidade certo sem magoar, ou ferir o outro, e tendo a certeza que fazemos a nossa parte.

Ser frontal não me parece de todo uma qualidade. Há é pessoas que pensam um bocadinho mais que outras nas palavras que dirigem aos outros, sabendo depois conjuga-las no momento certo. 

2 comentários:

  1. Ser frontal é diferente de ser honesto e eu concordo com as tuas palavras!

    ResponderEliminar
  2. Identifico-me muito com o que dizes... também acho que há maneiras e maneiras de dizer as coisas e não suporto pessoas impulsivas é que falam sem pensar, acabando por ser agressivas e mal educadas. Até podem ter razão, mas com atitudes dessas perdem-na...

    ResponderEliminar