09 janeiro, 2017

Medo.

Infelizmente esta não é a primeira nem será a última notícia do género a entrar pela nossa casa ao almoço ou ao jantar. Já as ouvimos e vimos, mais vezes do que seria suposto, mas elas, volta e meia, lá aparecem.
E como isto revolta. Como nos deixa ao mesmo tempo com uma raiva enorme, mas também com o coração bem apertado de medo.
Não sou mãe, não tenho O coração de mãe. Imagino só o que a minha sentiria se alguma vez eu passasse por algo assim. Por isso, quando me tento colocar na posição de todas as mães que receberam o telefonema a informar que um filho está no hospital porque foi espancado por outros adolescentes, fico de rastos.
Isto não é só para alguns. Isto não toca só a alguns. Isto trata-se de um assunto de todos. É uma geração que se está a formar e que precisa de ser re-educada. Não se trata de alarmismos, nem de generalizar, mas é necessário consciencializar os nossos adolescentes. Fazê-los ver que nada, mas mesmo nada, deve ser respondido com violência. Muito menos extrema como nestes casos.
Eu sei que estes casos acontecem muitas vezes sem que venham a público, aliás são escondidos durante tantos anos que não se tornam perceptíveis aos olhos de ninguém. Que antigamente já aconteciam, mas não estávamos na era tecnológica, que em qualquer canto está alguém a fotografar ou filmar. Mas caramba, se agora estas imagens chegam até nós, temos obrigação de fazer algo com elas, de tomar uma atitude, deixarmos de ser passivos face a estes tristes acontecimentos.

Nós também já fomos adolescentes. Já passamos por fases mais complicadas. E com certeza os nossos pais puxaram os cabelos com algumas atitudes nossas. Mas acima de tudo sabíamos os limites. Os limites do razoável. Aqueles, que se fossem ultrapassados teríamos sérios problemas.
São adolescentes, que ainda não tem a personalidade formada, mas não são crianças. Eles já tem noção do certo e do errado. E é precisamente nessa idade que precisam de ser educados.
Não façamos disto moda. Não façamos disto casos recorrentes. Chamem a atenção para casos problemáticos.
Não nos pudemos deixar levar pelo medo!

1 comentário:

  1. Infelizmente dá-se pouca importância a notícias destas e importância de mais a coisas que não interessam nada.

    ResponderEliminar