22 janeiro, 2017

Confiança

Sou uma faladora nata! Adoro conversar e tento ter sempre tema de conversa seja com pessoas mais velhas, como com pessoas mais novas. Por isso acaba por se tornar mais fácil conhecer novas pessoas bem como interagir facilmente com elas. Acontece que, comunicar sem qualquer dificuldade não implica que torne toda a gente minha amiga e minha confidente.
Apesar de adorar falar tenho imensa dificuldade em confiar nas pessoas. Mas assim muita mesmo!!!

Tenho um grupo pequeno de amigos (e estou bem contente com os poucos que tenho) mas a verdade é que confiar a 100% sobre todos os assuntos sem qualquer pudor ou problema só o consigo fazer com duas pessoas: a minha mãe e o meu namorado.

Para mim é impensável contar coisas íntimas, coisas que me preocupam e me apoquentam a alguém que conheço à meia dúzia de dias! Aliás algumas preocupações não as contava de todo mesmo a quem me acompanha há anos!
Parece-me que existem muitas pessoas que confundem uma relação de amizade forte, duradoura e com confiança já certa, com certas relações que são puramente temporárias, e que se adaptam simplesmente porque existem outras pessoas em comum ou outros temas também em comum. Não quer dizer que de relações destas não nasçam as verdadeiras, de confiança mútua, de sinceridade e verdade. Mas a meu ver isso não acontece  em alguns dias, ou semanas. Tal como uma relação amorosa a de amizade precisa de tempo e conhecimento para se desenvolver.

Isto tudo para dizer que acho estranhíssimo e impensável para mim, partilhar factos íntimos com alguém que eu mal conheço! Mas a verdade é que já assisti a situações em que os intervenientes só se encontraram pessoalmente duas ou três vezes mas foi o suficiente para partilharem informações que para mim seriam impartilhaveis! 
Esta falta de pudor depois traz uma série de confusões que pode deixar muita gente na mão, como com certeza muitos de nós já assistiu!

1 comentário: