27 abril, 2017

Queridinhos #5

Perfumes é sempre um tema complicado de discutir! Temos gostos diferentes. Há quem goste de perfumes mais frutados, outros mais doces, uns mais fortes, e outros mais fracos.
E para além disso, o nosso corpo como tem um cheiro também próprio misturado com determinados perfumes torna-o completamente único. Ou seja, um perfume numa pessoa pode tornar-se muito intenso, e noutro por exemplo nem se notar.
O ideal portanto é experimentarem dentro do género que gostam e saber qual aquele que vos agrada mais, dura mais, e vos deixa bem dispostas! Sim porque comigo o perfume tem essa função. Deixa-me bem disposta, e com vontade de estar sempre a cheirar aquele cheiro!!

Quando se encontra o "tal" perfume acho que fica para a vida! Até podemos ter outro para ir alternando, mas depois de o encontrarmos dificilmente o trocamos.
E eu já encontrei o meu perfume.
É o Touch of pink da Lacoste.

Sou completamente viciada neste perfume! É doce, mas nada enjoativo (a meu ver claro!) e até à data de hoje é definitivamente o meu perfume!


25 abril, 2017

Viva a liberdade!

Viva a quem lutou por ela e permitiu que eu com 26 anos não saiba o que é viver numa ditadura e possa ter um blogue onde possa falar sobre tudo! 
Obrigada! Este dia deverá continuar a ser comemorado como uma das nossas maiores conquistas.

22 abril, 2017

O nosso corpo.

Vamos falar de mamas! Sim mamas, peito, seios o que lhe quiserem chamar!
Hoje passei pela primark e resolvi comprar este bikini:





A parte de cima custou 2,50 e a de baixo 5,00 euros. Ficou super em conta!
Mas resolvi falar sobre esta compra, não pelo seu valor mas sim porque se trata de um bikini sem aro e pouco almofadado.

21 abril, 2017

Exagero

Quando vemos exagero em tudo.
Quando percebemos que nós exageramos, os outros exageram, e nós ainda exageramos mais por outros exagerarem.
Enfim... Fica criada uma corrente de tudo em mais, em maior, em quantidade, em exagero.

E quando devemos parar? Quando devemos avisar os outros que estão a exagerar?
Qual o aviso que devemos emitir para que percebam? Ou qual o sinal que devemos perceber que estamos a exagerar?

O erro é comum. Todos nós erramos. Às vezes cometemos o mesmo erro mais que uma vez. Afirmamos que aprendemos com o primeiro, mas é ver-nos a cair uma e outra vez.
Mas chega a um ponto que não pode continuar. Chega a um limite. O limite do exagero.

Quando não percebemos que estamos a invadir a esfera pessoal de alguém. Ou quando alguém invade a nossa esfera pessoal. Não vejo só a perspectiva de quem é invadido. Não vejo só o meu lado de estar farta dos exageros dos outros. Também eu sei que exagero com alguém uma vez e depois quando tento refletir sobre o assunto percebo que tenho de travar. Que tenho de controlar os impulsos, as vontades, as queixas.


Mas é fácil deixar-se ir na onda dos exageros. É fácil não travar e deixar as coisas continuarem exageradas.

E depois é assistir aos estragos desses exageros.
Às relações destruídas não por falta de algo mas por excesso de alguma coisa.
À vida, ou estilo de vida condicionada pelo exagero.

Mesmo que não fale de nada em concreto neste texto tenho a certeza que quem o ler conseguirá adaptar esta questão do exagero a qualquer coisa, ou a alguém da sua vida. Tenho a certeza que será possível a qualquer um admitir que exageram. Que conhecem quem exagere. Que já se sentiram incomodados com o exagero de alguém.

Lembrem-se, já dizia o ditado: "O que é demais é exagero"!





20 abril, 2017

Futilidades #14

A minha carteira (porta moedas) precisa de ser trocada. Acredito que é daquelas coisas que devia ser mudada constantemente. Pelos eu, tenho tendência a levá-las às últimas. E depois acho que um porta-moedas que não esteja em boas condições dá um aspecto não muito bonito a uma mulher. Por isso andei aqui pela net a dar uma vista de olhos e cá ficam quatro hipóteses para a possível troca:

Parfois, 14,99€

Parfois, 14,99€

Parfois, 16,99€

Parfois, 12,99€

19 abril, 2017

Update das minhas costas!

Como vos contei aqui e devido a esta estranha e incómoda dor nas costas resolvi procurar um osteopata. Nunca tinha ido mas só ouvi elogios a esta especialidade e achei que era agora ou nunca.

Meus amigos, escrevo-vos toda dorida! Saí de lá e parecia que tinha levado porrada fortemente! Já me disseram que é normal. Que só daqui a dois dias é que vou notar diferença. Mas a verdade é que neste momento sinto-me mesmo espancada!

A consulta durou quase uma hora, e as mãos da osteopata pareciam penas! Super leves e parece que sabia os sítios exatos onde me doía. Mas a forma como ela manipulava as minhas costas acabou por ser assustador. A cada movimento ouvia-se todas as minhas costas a estalar. Depois duma série de movimentos suaves lá terminava com aquele som. E se era assustador ouvir esse som era ao mesmo tempo um alívio na minha dor!
O final da consulta foi em jeito de massagem por isso terminou em grande.
A questão é que caminhar depois desta consulta foi como se fosse pela primeira vez.

Entretanto já passaram algumas horas e eu continuo com dores e com o corpo espalmado.
Daqui a uns dias conto-vos se fiquei a 100% ou não. 
Para já vou só usufruir deste meu estatuto de "doente" e tirar proveito deste descanso obrigatório cá em casa!!!

Por favor digam sim à vacinação!

Infelizmente a notícia é triste. Infelizmente esta jovem de 17 anos não conseguiu sobreviver. Infelizmente com esta idade não conseguiu ver, descobrir, viver o que ainda tinha para aproveitar. Mas a verdade é que por muito que perceba a dor que esta família está a passar, este caso tem de ser falado, comentado para tentar evitar que outros tenham o mesmo fim. Esta jovem não estava vacinada.
Os pais desta jovem, por opção, resolveram não a vacinar. E aqui, por muita dor que sinta por este trágico fim, a revolta fala mais alto.

Porque esta jovem não é a única. O sarampo é contagioso, mas a vacina previne contra o sarampo. Esta vacina que estamos a falar é uma vacina incluída no Programa Nacional de Vacinação, gratuita. Por amor de Deus será assim tão difícil que o facto de não dar uma vacina ao não nosso filho, para além de o poder estar a prejudicar, pode esse ato tomar proporções inimagináveis? Trata-se de saúde pública! Ou pelo menos eu acho que se trata de saúde pública. Afinal, estes pais tem noção que o facto da filha não estar vacinada podia contagiar um bebé com menos de 12 meses? Ou muitos bebés com menos de 12 meses, porque é a idade da primeira dose da vacina? 
Conforme é possível verificar na notícia nestes primeiros meses do ano, temos um maior número de casos de sarampo do que numa década! São dez anos. Dez anos em que era suposto evoluirmos. 
E depois assisto a outros pais que tomam esta mesma posição, que a assumem publicamente e que me parece não terem noção do mal que estão a provocar aos seus filhos. 
A meu ver isto não se trata de uma escolha. Se não querem que eles comam carne tudo bem, se não querem que tomem leite, tudo bem também, afinal de contas essas escolhas não vão influenciar mais ninguém a não ser os próprios. Mas a vacinação a meu ver não é uma escolha. Trata-se de uma obrigação, não só para com o paciente, mas principalmente para com a sociedade. 

O programa Nacional de Vacinação não é obrigatório. O que para mim é um perfeito disparate, porque só com a certeza de que o programa está a ser cumprido por todos os cidadãos, temos a certeza que surtos como este não se voltam a repetir.

A opção por um estilo de vida saudável, com a prática frequente de exercício físico, uma alimentação à base de fruta e legumes, sem excessos, e regulada, com recurso ao uso de produtos naturais, parece-me uma excelente forma de educar os nossos filhos. Cabe aos pais tomar essa decisão enquanto eles não tem discernimento para decidir o que pretendem, gostam, ou acham sobre o que quer que for. 
Mas a vacinação não se enquadra neste lema de vida. Ser pela não vacinação não é ser-se diferente com o objetivo de proteger os filhos, é ser-se ignorante, e em pleno ano de 2017 não compreender os avanços que a medicina teve. É ver a evolução da medicina conquistada durante todos estes anos, com vista a aumentar a esperança média de vida, a evitar que epidemias matem milhares de pessoas por todo o mundo, a atribuir melhor qualidade de vida para todos aqueles que sofrem de doenças crónicas, ser deitada para o lixo, sem a saberem valorizar.
Infelizmente foi preciso uma tragédia como esta para tentar alertar estes pais que são pela Não vacinação. 

Também eu deixo aqui um apelo para que não sejam egoístas. Não olhem/pensem só com os vossos olhos/cabeça. Vejam esta situação como um todo, e assumam que a vacinação é um direito dos vossos filhos. E tenho a certeza que qualquer pai ou mãe concordará que o que é seu dever proteger os seus filhos. Se não os vacinarem, isso não vai acontecer!

18 abril, 2017

Ai as minhas costas....

Se aos 26 anos já estou que não me consigo mexer, até tenho medo quando (e se) chegar aos 30.

As minhas costas resolveram ceder, e ando cheia de dores, ora em cima, ora no meio, ora no fundo! O namorado lá cumpre o papel dele de me andar a massajar as costas com voltaren, mas parece que não está a surtir grande efeito (mas não é por falta de jeito)!
Mas como já andava há algum tempo para marcar uma consulta num osteopata, que nunca fui, parece que vai ser desta que lá vou ver se faz efeito ou não!

Amanhã conto-vos como correu. Isto se não ficar toda desconchavada até lá!!!

16 abril, 2017

Feliz Páscoa

Passei só para vos desejar uma Santa Páscoa!
Desforrem-se nas amêndoas, nos ovos Kinder, no pão de ló, no cabrito, em tudo a que tenham direito! Eu pelo menos vou tentar aproveitar.
Depois pensamos como vamos abater os excessos!


15 abril, 2017

Esta semana #1

Comecei a semana de forma bem doce a fazer um bolo de chocolate pela primeira vez. Saiu muito bom! Estava fofo, e super saboroso. Para mim estava um bocadinho doce mas ainda assim foi  uma óptima experiência!
E tendo em conta que correu tão bem à primeira  e eu ando a tentar melhorar os meus afazeres domésticos fiz mais dois bolos para um jantar que tivemos ontem.
Não vou dizer que saíram os melhores bolos de chocolate do mundo mas acho que cumpriram os requisitos mínimos (esqueci-me de tirar foto para vocês comprovarem).

Hoje resolvemos aproveitar o dia de sol (não muito quente) e rumar até à praia. Estava algum vento e não deu para aproveitar a 100%, ainda assim podemos considerar como o nosso primeiro dia de praia, e já deu para ficar com uma marquinha!!!

Amanhã é dia de Páscoa, dia de reunir a família, e de passar o dia sem fazer grande coisa!

Segunda feira não vou trabalhar, portanto estou a aproveitar umas mini férias!